O ser humano, nos dias atuais, afastou-se tanto da espiritualidade e da religião, que passou a julgar a morte como aniquilamento total. Ao mesmo tempo em que quer viver todos os prazeres da matéria, procura evitar qualquer assunto que o remeta à finitude. O materialismo lhe remete ao aniquilamento total. Não se preocupa com o avanço da vida, nos sentido do melhoramento espiritual,  o que tornaria a maturidade e a velhice aprendizado para a morte. Quer ser jovem infinitamente. Procura conservar no corpo os aspectos da juventude, recorrendo à cirurgias plásticas, ginásticas sem fim, roupas joviais, enganado a si próprio, julgando nunca perecer.

Não percebe que o desenvolvimento espiritual poderia tirá-lo dessa inconsciência  e da negação do advento da própria morte. A percepção de que não existe a morte, mas apenas a passagem para o plano espiritual, que é a vida verdadeira, poderá trazer ao ser humano a plenitude do viver. Viver enquanto evolução, aprimoramento, compreensão e compartilhamento com outros seres humanos, espíritos encarnados. Ao compreender esses princípios, perde-se a angústia da finitude, pois esta não existe. Ao crermos na nossa verdadeira existência como espíritos, tudo se torna um desenrolar constante, às vezes encarnados, às vezes desencarnados, na direção do nosso verdadeiro destino, que é a glória de Deus. Ao compreender que a persistência no bem e na vida plena de alegria verdadeira, está nossa felicidade e que não findamos com a morte da matéria, mas apenas transpomos o portal para o mundo espiritual, nos chega ao íntimo o eco das palavras de Jesus, e de outros   grandes avatares, que já encarnaram na Terra para trazer-nos os ensinamentos da vida eterna. A preocupação dos materialistas é um verdadeiro caminho de desesperança, pois  não conseguem vencer o avançar dos anos e este lhes traz grande infelicidade.Nada mais bonito do que o envelhecer tranqüilo e lúcido, sabendo que vamos cumprindo a jornada nesta encarnação e nos preparando para a continuidade espiritual. Ao idoso que assim crê e procede, abre-se um mundo de perspectivas maravilhosas, pode tudo pode fazer ainda, aprender, melhorar, estudar, trabalhar para o bem, pois tudo lhe será útil depois. Nada se perde para o espírito, nada se perde para a vida verdadeira. Divulgar os ensinamentos da existência espiritual deve ser uma meta dos espíritas, pois assim aliviarão o sofrimento daqueles que tanto temem a morte e vão ao encontro dela despreparados. Que de tanto temerem a morte, se entregam a atos  que só lhes faz sofrer. O amor, que é o maior de todos os valores, esse amadurece e cresce  e faz com que o homem espiritualizado se realize na comunhão de pensamentos sadios com seus contemporâneos. Assim, queridos amigos, vamos seguindo em frente, sabendo que cada dia é um novo começo de uma eternidade bendita. Cada dia o sol se levanta e nos traz a alegria de sabermos que seguiremos, sempre, com amor para com os nossos semelhantes. Compartilhamos ensinamentos divinos, e sentimos dentro de nós o que é a verdadeira paz. A paz de não sentirmos medo, mas confiança e esperança no futuro.

Mensagem psicografada por Wanda Gesualdo em 25/05/2011, no Grupo de Estudo do Livro dos Espíritos.