Queridos amigos, como bem explicado nesta noite de estudo, mediunidade não é privilégio exclusivo de nenhuma época da humanidade. Não são poucos os casos na história que tanto foi modificada graças a esta faculdade bendita. Sem a mediunidade de Moisés talvez haveríamos de viver em clima de barbárie, embora estando todos a contragosto com relação a isto. Os primeiros traços de solidariedade só puderam sair do coração dos homens e se fazer presente na civilização graças a este bendito recurso. Está em contradição com a benevolência do criador supor a ausência destas faculdades, uma vez que diante da fragilidade das criaturas estariam elas desalentadas e abandonadas aos seus próprios raciocínios, muita vez tirando conclusões equivocadas a respeito das verdades da vida de além-túmulo. Não podemos, assim, excluir o intercâmbio entre espírito e matéria, solicitude e amparo, criatura e criador. O amor de Deus sendo infinito não pode deixar de prever as necessidades humanas. Graças à mediunidade a certeza se dá em meio à ignorância. Aprendamos, pois, aperfeiçoar nossas faculdades em todos os setores a que nos destinamos nesta existência. É da Lei que atinjamos a perfeição, e os predicados da sintonia de ser para ser não é exceção. Prossigamos irmãos, estudando e nos instruindo, trabalhando e aperfeiçoando. Obrigado pela noite,

Luiz.